A HARMONIA SOCIAL E A INTERRUPÇÃO DO MANDATO PRESIDENCIAL CONFERIDO PELO VOTO POPULAR NO BRASIL

A LEGITIMIDADE DOS REPRESENTANTES PARA O JULGAMENTO DE UM MANDATO CONFERIDO PELO VOTO DIRETO

Autores

  • Natal dos Reis Carvalho Junior Universidade de Ribeirão Preto (UNAERP - SP); Centro Universitário da Fundação Educacional Guaxupé (UNIFEG - MG)
  • Ricardo dos Reis Silveira Universidade de Ribeirão Preto (UNAERP - SP) http://orcid.org/0000-0002-7917-6724

DOI:

https://doi.org/10.30899/dfj.v15i45.805

Palavras-chave:

interrupção do mandato popular; democracia; harmonia social.

Resumo

Este artigo propõe uma reflexão a respeito do julgamento e condenação do Presidente da República por crime de responsabilidade no Brasil e a relação com a harmonia social. O Presidente da República no Brasil é eleito por voto direto em um sistema presidencialista. Todavia, a Constituição Federal prevê a legitimidade da interrupção do mandato quando o Presidente é condenado por crime de responsabilidade em um julgamento que é autorizado pela Câmara dos Deputados e realizado pelo Senado Federal. Embora, constitucionalmente prevista esta modalidade de interrupção no mandato, ela poderá vir a chocar-se com a opinião da sociedade que conferiu tal mandato. A decisão dos representantes, também eleitos, pode não se coadunar com a dos eleitores que elegeram o Presidente gerando fissuras na harmonia social e na crença da soberania popular.

Biografia do Autor

Ricardo dos Reis Silveira, Universidade de Ribeirão Preto (UNAERP - SP)

Mestre em Filosofia e Metodologia das Ciências pela Universidade Federal de São Carlos - UFSCAR (2003), Doutor em Filosofia e Metodologia das Ciências pela Universidade Federal de São Carlos - UFSCAR (2010). Atualmente é Advogado em Ribeirão Preto, Professor do Programa de Mestrado em Direitos Coletivos e Cidadania da Universidade de Ribeirão Preto.

Referências

ARENDT, Hannah. O que é política? Trad. Reinaldo Guarany. 3ª Ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

BOBBIO, Norberto. Teoria Geral da Política. Trad. Daniela Beccaccia Versianani. Rio de Janeiro: Elsevier, 2000.

BOBBIO, Norberto. Estado, governo, sociedade: por uma teoria geral da política. 7ªed. Trad. Marco Aurélio Nogueira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1999.

BONAVIDES, Paulo. Ciência Política. 16ªed. São Paulo: Malheiros, 2009.

BONAVIDES, Paulo. Constituinte e Constituição. 3ª ed. São Paulo: Malheiros, 2010.

BONAVIDES, Paulo. Curso de Direito Constitucional. 24 ed. São Paulo: Malheiros, 2009.

CARVALHO, José Murilo de. Cidadania no Brasil: o longo caminho. 21ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

DAHL, Robert. Sobre a Democracia. Trad. Beatriz Sidou. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 2001.

DALLARI, Dalmo de Abreu. Elementos de Teoria Geral do Estado. 32ª ed. São Paulo: Saraiva, 2013.

FRANCO, Afonso Arinos de Melo. Maturidade. Jornal do Brasil. Rio de Janeiro. 1 nov. 1964.

HABERMAS, Jürgen. A inclusão do outro: estudos de teoria política. Trad. Geoge Sperber; Paulo Astor Soethe; Milton Camargo Mota. 2ª Ed. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

IBOPE. Indíce de Confiança nas Instituições 2018. Brasil. Disponível em: http://www.ibopeinteligencia.com/arquivos/JOB%2018_0741_ICS_Apresenta%C3%A7%C3%A3o.pdf . Acesso em 16 out. 2018.

MOISES, José Álvaro and CARNEIRO, Gabriela Piquet.Democracia, desconfiança política e insatisfação com o regime: o caso do Brasil. Opin. Publica [online]. 2008, vol.14, n.1, pp.1-42. ISSN 0104-6276. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-62762008000100001.

SARTORI, Giovanni. Teoria democrática. Trad. Francisco M. da Rocha Filho e Oswaldo Blois. Rio de Janeiro: Editora Fundo de Cultura, 1965.

SCHMITT, Carl. O guardião da Constituição. Belo Horizonte: Del Rey, 2007.

SHAPIRO, Ian. Fundamentos Morais da Política. Trad. Fernando Santos. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. 37ªed. São Paulo: Malheiros, 2014.

TEMER, Michel. Elementos de Direito Constitucional. 23ª ed.São Paulo: Malheiros, 2010.

Publicado

2022-03-22

Como Citar

Carvalho Junior, N. dos R., & Silveira, R. dos R. (2022). A HARMONIA SOCIAL E A INTERRUPÇÃO DO MANDATO PRESIDENCIAL CONFERIDO PELO VOTO POPULAR NO BRASIL: A LEGITIMIDADE DOS REPRESENTANTES PARA O JULGAMENTO DE UM MANDATO CONFERIDO PELO VOTO DIRETO. Revista Brasileira De Direitos Fundamentais & Justiça, 15(45), 331–346. https://doi.org/10.30899/dfj.v15i45.805