Constitucionalismo Abusivo

Fundamentos Teóricos e Análise da sua Utilização no Brasil Contemporâneo

  • Estefânia Maria Queiroz Barboza UFPR e Uninter
  • Ilton Norberto Robl Filho IDP e UFPR
Palavras-chave: constitucionalismo abusivo, democracia, Hiperpresidencialismo, brasil

Resumo

O Constitucionalismo Abusivo é descrito pela literatura especializada como utilização indevida de mecanismos do direito constitucional para atacar e minar as estruturas da democracia constitucional e das bases filosóficas do constitucionalismo. Há duas formas principais de emprego da categoria constitucionalismo abusivo para compreender práticas e realidades constitucionais: a) frequente e reiterado uso de emendas à constituição e criação de novos documentos constitucionais com intuito de manter um grupo social e político no poder com destruição dos elementos centrais da democracia constitucional, designando esse modalidade como constitucionalismo abusivo estrutural, e b) utilização de alguns institutos e técnicas constitucionais em desacordo com as diretrizes da democracia constitucional, consistindo esse fenômeno no constitucionalismo abusivo episódico. Esse artigo entende que, apesar da existência de hiperpresidencialismo no Brasil, os mecanismos de accountability horizontal como do Poder Judiciário sobre o Executivo e o Legislativo, não permitem a classificação como constitucionalismo abusivo estrutural, mas existem fenômenos de constitucionalismo abusivo episódico e preocupantes.

Referências

BARBERA, Augusto. Le Basi Filosofiche del Constituzionalismo. 12 ed. Roma-Bari: Editori Laterza, 2012.
BENVINDO, Juliano. A Integração e o Constitucionalismo Autoritário: A Experiência Alemã. Revista da Faculdade de Direito UFPR, Vol. 50, p. 61-89, 2009.
BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Ação Direta de Inconstitucionalidade nº. 4425. Medida Cautelar. Relator Ministro Néri da Silveira. Plenário. DJe. 26/03/1998.
______. Ação Direta de Inconstitucionalidade nº. 4425. Relator Ministro Luiz Fux. Plenário. DJe. 19/12/2013.
BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Ação Direta de Inconstitucionalidade nº. 5127. Relator Ministro Edson Fachin. Plenário. DJe. 11/05/2016.
CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Direito Constitucional e Teoria da Constituição. 7 ed. Coimbra: Almedina, 2003.
CLÈVE, Clèmerson Merlin. Atividade Legislativa do Poder Executivo. 3. ed., atual. e amp., São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011.
DIAMOND, Larry; PLATTNER, Marc F.; SCHEDLER, Andreas. Introduction. In: _____. The self-restraining state: power and accountability in new democracies. Colorado: Lynne Rienner Publishers, 1999, p. 1-10.
DWORKIN, Ronald. A Justiça de Toga. São Paulo: Martins Fontes, 2010.
FACHIN, Luiz Edson. Uns nos Outros. In: NEVES, Thiago Ferreira Cardoso (coord.). Direito e Justiça Social por uma Sociedade Mais Justa, Livre e Solidária: Estudos em Homenagem ao Professor Sylvio Capanema de Souza. São Paulo: Atlas, 2013, p. 376-391.
FIGUEIREDO, Argelina Maria Cheibub. Resenhas de Estudo sobre o Executivo. Revista do Serviço Público, ano 55, jan a jun 2004.
GARGARELLA, Roberto. Latin American Cosntitutionalism. The Engine Room of the Constitution. New York: Oxford University Press, 2013.
GIACOMOLLI, Nereu José. O Devido Processo Penal. 3 ed. São Paulo: Atlas, 2016.
HOCHSTETLER, Kathryn. Repensando o presidencialismo: contestações e quedas de presidentes na América do Sul. Lua Nova. n.72, p.09-46, 2007.
KANAYAMA, Rodrigo Luís; TOMIO, Fabricio Ricardo de Limas; ROBL FILHO, Ilton Norberto. Impeachment, créditos adicionais do governo federal e o processo decisório orçamentário: um novo dilema para o direito e para a política? Revista da Faculdade de Direito UFPR, Curitiba, PR, Brasil, v. 62, n. 3, p. 323-347, set./dez. 2017.
LANDAU, David, Abusive Constitutionalism (April 3, 2013). 47 UC Davis Law Review 189 (2013); FSU College of Law, Public Law Research Paper No. 646.
LIMONGI, F.. O Poder Executivo na Constituição de 1988. In: Ruben George Oliven, Marcelo Ridenti, Gildo Marçal Brandão. (Org.). A Constituição de 1988 na vida brasileira. São Paulo: Editora Hucitec, 2008, v. 1, p. 23-56.
LINZ, Juan José. The Perils of Presidentialism. Journal of Democracy, Volume 1 , Number 1, Winter 1991, p. 51-69.
MACEDO, José Arthur Castillo de. (Hiper)presidencialismo Brasileiro: esse outro Esquecido. In: CLÈVE, Clèmerson Merlin (org.). Direito Constitucional Brasileiro. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2014, v. 2, p. 496-518.
MARRAFON, Marco Aurélio; ROBL FILHO, Ilton Norberto. Controle de Constitucionalidade no Projeto de Lei de Conversão de Medida Provisória em Face de "Contrabandos Legislativos": Salvaguarda do Estado Democrático de Direito. In: FALLET, André; NOVELINO, Marcelo (org.). Constitucionalismo e Democracia. Salvador: JusPodivm, 2013, p. 235-252.
NINO, Carlos Santiago. El Presidencialismo y la Justificación, Estabilidad y Eficiencia de la Democracia. Propuesta y Control, 1990, p. 39- 56.
O‘DONNELL, Guilhermo. Accountability Horizontal e novas poliarquias. Lua Nova: Revista de cultura e política, n. 44, São Paulo, p. 27-54, 1998.
______. Democracia Delegativa. Journal of Democracy en Español. Instituto de Ciencia Política, Pontificia Universidad Católica de Chile, v. 1, p. 7-23, jul. 2009.
ROA ROA, Jorge Ernesto; CHUEIRI, Vera Karam de et al. Amicus curiae sobre a solicitação de opinião consultiva relativa à figura do juízo político ou impeachment apresentada pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos. Revista da Faculdade de Direito UFPR, Curitiba, PR, Brasil, v. 63, n. 1, p. 213-266, abr. 2018.
ROBL FILHO, Ilton Norberto . Conselho Nacional de Justiça: Estado Democrático de Direito e Accountability. São Paulo: Saraiva, 2012.
SCHEDLER, Andreas. Conceptualizing accountability. In: DIAMOND, Larry; PLATTNER, Marc F.; SCHEDLER, Andreas (orgs). The self-restraining state: power and accountability in new democracies. Colorado: Lynne Rienner Publishers, 1999, p. 13-28.
STRECK, Lenio Luiz; OLIVEIRA, Marcelo Andrade Cattoni de. In: CANOTILHO, J. Gomes et al. (org.). Comentários à Constituição do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2013.
PERUZZOTTI, Enrique; SMULOVITZ, Catalina. Accountability social: la outra cara del control. In: _____. Controlando la política. Ciudadanos e medios en las nuevas democracias latinoamericanas. Buenos Aires: Editorial Temas, 2002, p. 23-52.
SCHEPPELE, Kim Lane. Worst Practices and the Transnational Legal Order (Or How to Build a Constitutional “Democratorship” in Plain Sight). Background paper: Wright Lecture, University of Toronto, Nov. 2, 2016.
TUSHNET, Mark. Advanced Introduction to Comparative Constitutional Law. 2 ed. Edward Elgar: Cheltenham – Northampton, 2018.
Publicado
26-03-2019
Como Citar
Barboza, E., & Filho, I. (2019). Constitucionalismo Abusivo. Revista Brasileira De Direitos Fundamentais & Justiça, 12(39), 79-97. https://doi.org/10.30899/dfj.v12i39.641