PROTEÇÃO DE DADOS PESSOAIS COMO DIREITO FUNDAMENTAL NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL BRASILEIRA DE 1988

CONTRIBUTO PARA A CONSTRUÇÃO DE UMA DOGMÁTICA CONSTITUCIONALMENTE ADEQUADA

  • Ingo Wolfgang Sarlet
Palavras-chave: Proteção de dados pessoais; Direito Fundamental; Constituição Federal brasileira.

Resumo

A exemplo de outras ordens constitucionais, também a Constituição Federal brasileira de 1988 não contempla no seu texto um direito fundamental autônomo à proteção de dados pessoais, que, segundo expressiva literatura jurídica e mesmo algumas decisões jurisprudenciais, inclusive do Supremo Tribunal Federal, pode ser tido como implicitamente positivado. Todavia, especialmente na esfera jurisprudencial, várias questões relevantes e que dizem respeito ao conteúdo, dimensões subjetiva e objetiva, deveres de proteção conexos, titulares e destinatários, bem como o problema dos limites e restrições do direito à proteção de dados pessoais ainda carecem de maior desenvolvimento e refinamento. O que se busca no presente texto é justamente contribuir para o processo de construção de uma dogmática constitucionalmente adequada do direito à proteção de dados no Brasil. 

Referências

ALBERS, Marion. A complexidade da proteção de dados. Revista Direitos Fundamentais & Justiça, ano
10, n. 35, jul./dez. 2016.
ALBERS, Marion. Umgang mit personenbezogenen Informationen und Daten. In: HOFMANN-RIEM, Wolfgang;
SCHMIDT-ASSMANN, Eberhard; VOSSKUHLE, Andrea (Coord.). Grundlagen des Verwaltungsrechts. 2.
ed. München: C.H. Beck, 2012. v. 2.
ALEXY, Robert. Theorie der Grundrechte. 2. ed. Frankfurt a.M. Suhrkamp, 1994.
ANDRADE, Fábio Siebeneichler de. Notas sobre a aplicabilidade dos direitos da personalidade à pessoa
jurídica como evolução da dogmática civil. RJLB, ano 4, n. 5, p. 806-837, 2018.
ANDRADE, José Carlos Vieira de. Os direitos fundamentais na Constituição portuguesa de 1976.
Coimbra: Almedina, 1987.
BILBAO UBILLOS, Juan Maria. Los derechos fundamentales en la frontera entre lo público y lo privado.
La noción de “state action” en la jurisprudencia norteamericana. Madrid: McGraw-Hill, 1997.
BIONI, Bruno Ricardo. Proteção de dados pessoais: a função e os limites do consentimento. Rio de
Janeiro: Forense, 2019.
BULL, Hans-Peter. Informationelle Selbstbestimmung – Vision oder Illusion?. Tübingen: Mohr Siebeck,
2009.
CANARIS, Claus-Wilhelm. Considerações a respeito da posição de proibições de discriminação no sistema
de direito privado. Revista Direitos Fundamentais e Justiça, ano 7, n. 22, jan./mar. 2013.
CANARIS, Claus-Wilhelm. Grundrechte und Privatrecht. Berlin-New York: Walter de Gruyter, 1999.
CANOTILHO, José Joaquim Gomes. Omissões normativas e deveres de proteção. In: DIAS, Jorge de
Figueiredo (Coord.). Estudos em homenagem a Cunha Rodrigues. Coimbra: Coimbra Editora, 2001. v. II.
CANOTILHO, José Joaquim Gomes; MOREIRA, Vital. Constituição da República portuguesa anotada.
4. ed. Coimbra: Coimbra Editora, 2007.
CONSELHO DA EUROPA. Convenção para a Proteção de Indivíduos com Respeito ao Processamento
Automatizado de Dados Pessoais, de 28 de janeiro de 1981. Disponível em: https://www.cnpd.pt/bin/
legis/internacional/Convencao108.htm. Acesso em: 15 nov. 2019.
DIMOULIS, Dimitri; MARTINS, Leonardo. Teoria geral dos direitos fundamentais. São Paulo: RT, 2007.
DONEDA, Danilo. A proteção dos dados pessoais como um direito fundamental. Espaço Jurídico Journal
of Law, Joaçaba, v. 12, n. 2, p. 91-108, jul./dez. 2011. Disponível em: https://portalperiodicos.unoesc.
edu.br/espacojuridico/article/view/1315. Acesso em: 15 nov. 2019.
DONEDA, Danilo. Da privacidade à proteção de dados pessoais: elementos da formação da Lei geral
de proteção de dados. 2. ed. São Paulo: Thomson Reuters Brasil, 2019.
DONEDA, Danilo. Da privacidade à proteção dos dados pessoais. Rio de Janeiro: Renovar, 2006.
DREIER, Horst. Art. 2 I – allgemeines Persönlichkeitsrecht. In: DREIER, Horst (Coord.). Grundgesetz
Kommentar. 3. Auf. Tübingen: Mohr Siebeck, 2013.
DREIER, Horst. Subjektiv-rechtliche und objektiv-rechtliche Grundrechtsgehalte. JURA, 1994.
DUQUE, Marcelo Schenk. Direito privado e Constituição. Drittwirkung dos direitos fundamentais. São
Paulo: Revista dos Tribunais, 2013.
FACHIN, Luiz Edson; RUZYK, Carlos Eduardo Pianovski. Direitos fundamentais, dignidade da pessoa
humana e o novo Código Civil: uma análise crítica. In: SARLET, Ingo Wolfgang (Coord.). Constituição,
direitos fundamentais e direito privado. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2003.
GRIMM, Dieter. A função protetiva do Estado. In: SOUZA NETO, C. P.; SARMENTO, D. A constitucionalização
do direito. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2007.
HARTMANN, Ivar. Liberdade de expressão e capacidade comunicativa: um novo critério para resolver
conflitos entre direitos fundamentais informacionais. Direitos Fundamentais & Justiça, ano 12, n. 39,
p. 145-183, jul./dez. 2018.
HESSE, Konrad. Grundzüge des Verfassungsrechts der Bundesrepublik Deutschland. 20. ed. Heidelberg:
C. F. Müller, 1995.
HILGENDORF, Eric; FELDLE, Jochen (Ed.). Digitalization and the law. Baden-Baden: Nomos, 2018.
HOFFMANN, Christian; LUCH, Anika; SCHULZ, Sönke E.; BORCHERS, Kim Corinna. Die digitale Dimension
der Grundrechte. Das Grundgesetz im digitalen Zeitalter. Baden-Baden: Nomos, 2015.
HOFFMANN-RIEM, Wolfgang. Rechtliche Rahmenbedingungen für und regulative Herausforderungen
durch Big Data. In: HOFFMANN-RIEM, Wolfgang (Coord.). Big Data – Regulative Herausforderungen.
Baden-Baden: Nomos, 2018.
HOFMANN-RIEM, Wolfgang. Reclaim Autonomy: Die Macht digitaler Konzerne. In: AUGSTEIN, Jakob
(Coord.). Reclaim Autonomy. Selbstermächtigung in der digitalen Weltordnung. Frankfurt am Main:
Suhrkamp, 2017.
HORNUNG, Gerrit; SCHNABEL, Christoph. Data protection in Germany I: The populational census decision
and the right to informational self-determination. Computer Law & Security Report, v. 25, issue 1, 2009.
INGOLD, Albert. Desinformationsrecht: Verfassungsrechtliche Vorgaben für Staatliche
Desinformationstätigkeit. Berlin: Duncker & Humblot, 2011.
IPSEN, Jörn. Staatsrecht II – Grundrechte. 17. Auf. Vahlen, 2014.
JARASS, Hans; PIEROTH, Bodo. Grundgezetz fur die Bundesrepublik Deutschland: Kommentar. 13. Auf.
München: C. H. Beck, 2014.
KARG, Moritz. Artikel 4, Nr. 1. In: SIMITIS, Spiros; HORNUNG; Gerrit; SPIECKER GENANNT DÖHMANN,
Indra. Datenschutzgesetz. Baden-Baden: Nomos, 2019.
KLOEPFER, Michael. Verfassungsrecht II. 13. Auf. München: C. H. Beck, 2010.
KÜHLING, Jürgen. Datenschutz und die Rolle des Rechts. In: STIFTUNG FÜR DATENSCHUTZ (Ed). Die
Zukunft der informationellen Selbstbestimmung. Berlin: Erich Schmidt Verlag, 2016.
LEONARDI, Marcel. Fundamentos de direito digital. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2019.
LIMBERGER, Têmis. O direito à intimidade na era da informática. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2007.
LORENZ, Dieter. Art. 2 Abs 1 GG. In: KAHL, Wolfgang; WALDHOFF, Christian; WALTER, Christian (Coord.).
Bonner Kommentar zum Grundgesetz. Heidelberg: C.F. Müller, 2008. v. 2.
MANSSEN, Gerrit. Staatsrecht I Grundrechtsdogmatik. München: Verlag Franz Vahlen, 1995.
MARINONI, Luiz Guilherme. Técnica processual e tutela dos direitos. 4. ed. São Paulo: Revista dos
Tribunais, 2013.
MENDES, Laura Schertel. Habeas Data e autodeterminação informativa: dois lados da mesma moeda.
Revista Direitos Fundamentais & Justiça, ano 12, n. 39, p. 185-216, jul./dez. 2018.
MENDES, Laura Schertel. Privacidade, proteção de dados e defesa do consumidor. São Paulo: Saraiva,
2013.
MENDES, Laura Schertel; DONEDA, Danilo. Comentário à Nova Lei de Proteção de Dados (Lei
13.709/2018): o novo paradigma da proteção de dados. Revista de Direito do Consumidor, v. 120,
nov./dez. 2018.
MIRANDA, Jorge; MEDEIROS, Rui. Constituição portuguesa anotada. 1. ed. Coimbra: Coimbra Editora,
2006.
MOLINARO, Carlos Alberto; SARLET, Gabrielle Bezerra Sales. Questões tecnológicas, éticas e normativas
da proteção de dados pessoais na área da saúde em um contexto de big data. Direitos Fundamentais
& Justiça, ano 13, n. 41, p. 183-212, jul./dez. 2019.
MURSWIEK, Dietrich; RIXEN, Stephan. Persönliche Freiheitsrechte. In: SACHS, Michael. Grundgesetz
Kommentar. 8. ed. München: C.H.Beck, 2018.
PARLAMENTO EUROPEU. Carta de Direitos Fundamentais da União Europeia, de 7 de dezembro de 2000.
Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:12016P/TXT&from=EN.
Acesso em: 15 nov. 2019.
PIEROTH, Bodo; SCHLINK, Bernhard. Grundrechte. Staatsrecht II. 11. ed. Heidelberg: C. F. Müller, 1995.
PINTO, Paulo Mota. Direitos de personalidade e direitos fundamentais: estudos. Coimbra: Gestlegal,
2018.
REINHARDT, Jörn. Conflitos de direitos fundamentais entre atores privados: “efeitos horizontais
indiretos”
e pressupostos de proteção de direitos fundamentais. Direitos Fundamentais & Justiça, ano 13, n. 41,
p. 59-91, jul./dez. 2019.
RODRIGUES JÚNIOR, Otávio Luís. Direito civil contemporâneo: Estatuto Epistemológico, Constituição e
direitos fundamentais. 2. ed. São Paulo: GEN, 2019.
ROSSNAGEL, Alexander; WEDDE, Peter; HAMMER, Volker; PORDESCH, Ulrich. Digitalisierung der
Grundrechte? Zur Verfassungsverträglichkeit der Informations-und Kommunikationstechnik. Opladen:
Westdeutscher Verlag, 1990.
RUARO, Regina Linden; RODRIGUEZ, Daniel Piñeiro. O direito à proteção de dados pessoais na sociedade
de informação. Direito, Estado Sociedade, n. 36, jan./jun. 2010.
RUFFERT, Matthias. Privatrechtswirkung der Grundrechte. Von Lüth zum Stadionverbot – und darüber
hinaus?, n. 1, Jus 2020.
SAMPAIO, José Adércio Leite. A suprema inviolabilidade: a intimidade informática e o sigilo bancário.
In: SARMENTO, Daniel; SARLET, Ingo Wolfgang (Coord.). Direitos fundamentais no Supremo Tribunal
Federal: balanço e crítica. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2011.
SARLET, Ingo Wolfgang. A eficácia dos direitos fundamentais: uma teoria geral dos direitos fundamentais
na perspectiva constitucional. 13. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2018.
SARLET, Ingo Wolfgang. Direitos fundamentais e direito privado, algumas considerações em torno da
vinculação dos particulares aos direitos fundamentais. In: SARLET, Ingo Wolfgang (Coord.). A Constituição
concretizada: construindo pontes para o público e o privado. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2000.
SARLET, Ingo Wolfgang; FERREIRA NETO, Arthur M. O direito ao “esquecimento” na sociedade de
informação. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2018.
SARLET, Ingo Wolfgang; MARINONI, Luiz Guilherme; MITIDIERO, Daniel. Curso de direito constitucional.
3. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2014.
SARMENTO, Daniel. Direitos fundamentais e relações privadas. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2003.
SCHIEDERMAIR, Stephanie. Einleitung. In: SIMITIS, Spiros; HORNUNG, Gerrit; SPIECKER GENANNT
DÖHMANN, Indra (Coord.). Datenschutzrecht. Baden-Baden: Nomos, 2019.
SCHLIESKY, Utz; HOFFMANN, Christian; LUCH, Anika D.; SCHULZ, Sönke E.; BORCHERS, Kim Corinna.
Schutzpflichten und Drittwirkung im Internet. Das Grundgesetz im digitalen Zeitalter. Baden-Baden:
Nomos, 2014.
SILVA, Virgílio Afonso da. A constitucionalização do direito. Os direitos fundamentais nas relações entre
particulares. São Paulo: Malheiros, 2005.
SPIECKER GENANNT DÖHMANN, Indra. Kontexte der Demokratie: Parteien, Medien und Sozialstrukturen
(1. Referat). VVDStRL. Berlin: De Gruyter, 2018.
SPIECKER GENANNT DÖHMANN, Indra. O direito à proteção de dados na internet em casos de colisão.
Revista Direitos Fundamentais & Justiça, ano 12, n. 38, p. 17-33, jan./jun. 2018.
STARCK, Christian. Art. 2 Abs. 1 – Schutz des Art. 2 Abs. 1 vor Eingriffen durch die öffentliche Gewalt.
In: VON MANGOLDT; KLEIN; STARCK. Grundgesetz Kommentar. 7. Auf. München: C. H. Beck, 2018. v. 1.
STEINMETZ, Wilson. A vinculação dos particulares a direitos fundamentais. São Paulo: Malheiros, 2004.
STERN, Klaus. Idee und Elemente eines Systems der Grundrechte. In: KIRCHHOF, J. Isensee-P. (Coord.).
Handbuch des Staatsrechts der Bundesrepublik Deutschland. Heidelberg: C. F. Müller, 1992. v. 5.
VESTING, Thomas. §20 Information und Kommunikation. In: HOFFMANN-RIEM, Wolfgang; SCHMIDTASSMANN,
Eberhard; VOSSKUHLE, Andreas (Coord.). Grundlagen des Verwaltungsrechts. München:
C.H. Beck, 2012. v. 2.
WOLFF, Heinrich Amadeus. Schutz personenbezogener Daten. In: PECHSTEIN, Matthias; NOWAK, Carsten;
HÄDE, Ulrich (Coord.). Frankfurter Kommentar EUV – GRC – AEUV. Tübingen: Mohr Siebeck, 2017. v. 1.
Publicado
10-08-2020
Como Citar
Sarlet, I. (2020). PROTEÇÃO DE DADOS PESSOAIS COMO DIREITO FUNDAMENTAL NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL BRASILEIRA DE 1988. Revista Brasileira De Direitos Fundamentais & Justiça, 14(42), 179-218. https://doi.org/10.30899/dfj.v14i42.875

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##