Liberdade de Expressão e Capacidade Comunicativa

Um novo critério para resolver conflitos entre direitos fundamentais informacionais

  • Ivar Hartmann
Palavras-chave: liberdade de expressão, honra, difamação, discurso de ódio, direitos fundamentais, ponderação, internet, redes sociais

Resumo

O ambiente de comunicação descentralizada, ainda que não perfeitamente democrática, da internet proporcionou oportunidades de equilíbrio do poder de alcançar uma audiência de uma forma jamais vista na sociedade tradicional dos meios de comunicação de massa. A conveniência da atuação judicial para resolver conflitos envolvendo a liberdade de expressão é diferente daquela existente há três décadas. Essa inserção mais igualitária de uma grande parcela da população no debate público resultou, de um lado, na mobilização de grupos para coibir o discurso de ódio na internet e fora dela. De outro, ampliou radicalmente os meios para que um indivíduo possa responder a uma ofensa. Diante disso, a pergunta de pesquisa é se seria necessário um aprimoramento da técnica para resolver tais conflitos de direitos fundamentais. Minha hipótese é de que esse aprimoramento é necessário, por meio da incorporação de um teste prévio à ponderação. A metodologia é de revisão de literatura, estudos de caso e análise indutiva. O resultado é a confirmação da hipótese de que, ao avaliar pedidos de indenização por dano moral em razão de ofensa à honra, imagem ou no contexto de discurso de ódio, o magistrado deve proceder à análise do mérito da manifestação somente quando um primeiro teste da capacidade comunicativa das partes ofensora e ofendida revela um desequilíbrio em favor da parte ofensora.

Referências

ALEXY, Robert. Teoria de los Derechos Fundamentales. Madrid: Centro de Estudios Constitucionales, 1993.
ANDRADE, Fábio Siebeneichler de. A tutela dos direitos da personalidade no direito brasileiro em perspectiva atual. Revista de Derecho Privado. n.º 24, 2013.
BAGARIĆ, Vesna. DJIGUNOVIĆ, Jelena Mihaljević. Defining Communicative Competence. Metodika. Vol. 8, br. 14, 2007.
BAKER, C. Edwin. Media, Markets, and Democracy: Communication, Society and Politics. Cambridge University Press, 2001.
BALKIN, Jack. Digital speech and democratic culture: a theory of freedom of expression for the information society. New York University Law Review. V. 79, n. 1, p. 1-58. abr 2004.
BALKIN, Jack. The Future of Free Expression in a Digital Age. Pepperdine Law Review. v. 36, 2009.
BARTELS, Koen. Communicative Capacity: The Added Value of Public Encounters for Participatory Democracy. American Review of Public Administration. vol. 44, n .6, 2014.
BENKLER, Yochai. Free as the Air to Common Use: First Amendment Constraints on Enclosure of the Public Domain. NYU Law Review, n. 74, 1998.
BENKLER, Yochai. The Wealth Of Networks: How Social Production Transforms Markets and Freedom. 2006.
BINENBOJM, Gustavo. Meios de Comunicação de Massa, Pluralismo e Democracia Deliberativa. As Liberdades de Expressão e de Imprensa nos Estados Unidos e no Brasil. Revista Eletrônica de Direito Administrativo Econômico. N. 5, 2006.
BROWN, Ian e MARSDEN, Christopher T. Regulating Code. Good governance and better regulation in the information age. MIT Press, 2013.
EMERSON, Thomas I. The Affirmative Side of the First Amendment. GA. Law Review, n. 15, 1981.
FISS, Owen M. Free Speech and Social Structure. Iowa Law Review. n. 71, 1986.
GOODMAN, Ellen P. Media Policy Out of the Box: Content Abundance, Attention Scarcity, and the Failures of Digital Markets. Berkeley Technology Law Journal. N. 19, 2004.
HÄBERLE, Peter. Grundrechte im Leistungsstaat. In MARTENS, Wolfgang e BACHOF, Otto (orgs.). Veröffentlichungen Der Vereinigung Der Deutschen Staatsrechtslehrer n. 30, 1972.
HABERMAS, Jürgen. Três modelos normativos de democracia. In A inclusão do outro: estudos de teoria política. São Paulo: Loyola, 2002.
HARTMANN, Ivar A. Liberdade de Manifestação Política e Campanhas: É preciso atenção aos algoritmos. In: Joaquim Falcão. (Org.). Reforma Eleitoral no Brasil. 1ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015, v. 1, p. 153-164.
HARTMANN, Ivar A. M. A Right to Free Internet? On Internet Access and Social Rights. Journal of High Technology Law, v. XIII, 2013.
HARTMANN, Ivar A. M. O Acesso à Internet como Direito Fundamental. Alfa-Redi (Lima), v. 118, p. 2, 2008.
HERSCHMANN, Micael. Comunicação e novas estratégias organizacionais na era da informação e do conhecimento. Comunicação & Sociedade. São Bernardo do Campo: PósCom-Umesp, a. 24, n. 38, p. 27-42, 2002.
HINDMAN, Matthew. What is the Online Public Sphere Good For? in TUROW, Joe e TSUI, Lokman (eds.). The Hyperlinked Society. University of Michigan Press, 2008.
HOLMES, Stephen e SUNSTEIN, Cass R. The Cost Of Rights: Why Liberty Depends On Taxes. 1999.
LEITER, Brian. Cleaning Cyber-cesspools: Google and Free Speech. in NUSSBAUM, Martha. LEVMORE, Saul (eds.) The Offensive Internet: Speech, Privacy, and Reputation. Cabridge: Harvard University Press, 2010.
LUHMANN, Niklas. The Autopoiesis of Social Systems. in GEYER, F. e ZOUWEN, J. van (eds.). Sociocybernetic Paradoxes: Observation, Control and Evolution of Self-Steering Systems, 1986.
MACKINNON, Catherine. Only Words. Harvard University Press, 1996.
MEIKLEJOHN, Alexander. Political Freedom: The Constitutional Powers of the People. 1965.
PHILLIPS, Whitney. This Is Why We Can’t Have Nice Things: Mapping the Relationship between Online Trolling and Mainstream Culture. Cambridge: MIT Press, 2016.
SALOMÃO, Maria Margarida Martins. Razão, Realismo e Verdade: O Que Nos Ensina o Estudo Sociognitivo Da Referência. Caderno de Estudos Linguísticos. n. 44, 2003.
SARLET, Ingo W. MOLINARO, Carlos Alberto. Liberdade de Expressão! [Superando os Limites do “Politicamente (In)Correto”]. Revista da Ajuris. v. 39, n. 126, 2012.
SARLET, Ingo W. Notas Sobre a Dignidade (da pessoa) Humana no Âmbito da Evolução do Pensamento Ocidental. Revista Opinião Jurídica. Ano 13, n. 17, 2015.
SARLET, Ingo Wolfgang. A eficácia dos direitos fundamentais. 6. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2006.
SARMENTO, Daniel. Livres e iguais. Estudos de Direito Constitucional. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2006.
SCHAUER, Frederick. Fear, Risk and the First Amendment: Unraveling the Chilling Effect. Boston University Law Review. N. 58, 1978.
SCHREIBER, Anderson. Direitos da Personalidade. 2ª ed. São Paulo: Atlas, 2013.
SULLIVAN, Kathleen. Free speech and unfree markets. UCLA Law Review. n. 42, 1994.
WALDRON, Jeremy. The Harm in Hate Speech. Cambridge: Harvard University Press, 2012.
WHITMAN, James Q. Enforcing civility and respect: three societies. Yale Law Journal. V. 109, 2000.
Publicado
26-03-2019
Como Citar
Hartmann, I. (2019). Liberdade de Expressão e Capacidade Comunicativa. Revista Brasileira De Direitos Fundamentais & Justiça, 12(39), 145-183. https://doi.org/10.30899/dfj.v12i39.665