Mediação de conflitos e desenvolvimento de habilidades em Hannah Arendt

o homem como projeto dado a si

  • Lília Maia de Morais Sales
  • Marília Bitencourt C. Calou
Palavras-chave: Mediação, Autodeterminação, Protagonismo social

Resumo

Estudam-se as contribuições teóricas de Hannah Arendt que podem vir a embasar os novos paradigmas da cultura da mediação no âmbito da resolução de conflitos, contrariando o atual modelo de resolução de demandas que encontra raízes em teorias de belicosidade inerente ao ser. A cultura da mediação sustenta novo padrão de manejo de litígio pautado nos ideais de cooperação, inovação e fraternidade. Hannah Arendt, a seu tempo, contribuiu com os processos de mediação por meio de formulações fundamentadas na capacidade da harmonização social e realização individual. Constata-se que a pacificação violenta não serve à sociedade, vez que o totalitarismo aniquila a autodeterminação. Certos de que os totalitarismos devem ser expurgados do seio social, passa-se à análise das teias de relacionamento e ação propostas pela autora. Constata-se que a sociedade além de livre deve ser cooperativa para que a ação encontre fluxo na teia de relacionamentos. Conclui-se que a autodeterminação e a capacidade de resolução de conflitos e de cooperação são elementos essenciais na formação de uma nova sociedade que protagonize real progresso. Conclui-se neste diapasão que a cultura da mediação sustenta novo modelo que em máxima e eficaz medida contribui para a formação da sociedade livre e fraterna que se deseja construir.

Referências

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 2004.
AGOSTINHO. A cidade de Deus. 2. ed. Tradução de J. Dias Pereira. Rio de Janeiro: Grupo Infinito UFPB, 2004. Disponível em: . Acesso em: 30 maio 2016.
ARENTD, Hannah. A condição humana. Tradução de Roberto Raposo. 11. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.
ARENTD, Hannah. Eichmann em Jerusalém: um relato sobre a banalidade do mal. Tradução de José Rubens Siqueira. 11. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.
ARENTD, Hannah. Homens em tempos sombrios. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.
ARENTD, Hannah. Origens do totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.
BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. São Paulo: Campus, 1998.
COMPARATO, Fábio Konder. Ética – Direito, moral e religião no mundo moderno. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 2004.
CORÇÃO, Gustavo. Dois amores duas cidades. São Paulo: Livraria Agir, 1967.
GONÇALVES, Camila de Jesus Mello. Princípio da boa-fé: perspectivas e aplicações. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.
HOBBES, Thomas. Leviatã: matéria, forma e poder de um estado eclesiástico e civil. 4. ed. Tradução de João Paulo Monteiro e Maria Beatriz Nizza da Silva. Rio de Janeiro: Ícone, 1996.
JASPERS, Karl. A situação espiritual de nosso tempo. São Paulo: Moraes, 1931.
MACHIAVELLI, Niccolò. O príncipe. São Paulo: Ridendo Castigat Mores, 2002.
ROUSSET, David. Les jour de notre mort. Paris: Carambaia, 2013. Disponível em: . Acesso em: 1º nov. 2014.
TORRES, Ana Paula Repolês. O sentido da política em Hannah Arendt. Trans/Form/Ação, Marília, v. 30, n. 2, 2007. Disponível em: . Acesso em: 3 jul. 2015.
YOUNG-BRUEHL, Elizabeth. Hannah Arendt, por amor ao mundo. Recife: Relume Dumera, 1997.
Publicado
30-12-2017
Como Citar
Sales, L., & Calou, M. (2017). Mediação de conflitos e desenvolvimento de habilidades em Hannah Arendt. Revista Brasileira De Direitos Fundamentais & Justiça, 11(37), 125-149. https://doi.org/10.30899/dfj.v11i37.126