Família, dignidade da pessoa humana e relativismo cultural

  • Elisângela Padilha
  • Carla Bertoncini
Palavras-chave: Família, Dignidade da pessoa humana, Cultura, Sociedade, Multiculturalismo

Resumo

 O presente artigo tem por objetivo investigar o que define a família no mundo contemporâneo sob o ponto de vista cultural. Seria possível, com fundamento na dignidade da pessoa humana, estabelecer um conceito multicultural de família? À família sempre coube um papel essencial na vida do homem, representando o modo pelo qual este se relaciona com o meio em que vive, priorizando a plena realização pessoal de cada membro familiar, com base no afeto, na busca pela felicidade, no respeito à dignidade da pessoa humana e seus direitos fundamentais. Família e sociedade conjugam-se em uma relação sistêmica. A família deve ser entendida como a comunidade de vida material e afetiva de seus integrantes, união de esforços para o desenvolvimento de atividades materiais e sociais, convivência que promove mútua companhia, apoio moral e psicológico, na busca do melhor desenvolvimento da personalidade das pessoas que a compõem. A família não é um produto da natureza e estática no tempo, e sim um grupo dinâmico que reage e interfere na sociedade. Nesse contexto, é possível, com fundamento na dignidade da pessoa humana, buscar um conceito de família que possa ser pensado e entendido em qualquer tempo e espaço.

 

Referências

ARENDT, Hannah. Origens do totalitarismo. Tradução de Roberto Raposo. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 2004.
BAEZ, Narciso Leandro Xavier. A morfologia dos direitos fundamentais e os problemas metodológicos da concepção de dignidade humana em Robert Alexy. In: ALEXY, Robert; BAEZ, Narciso Leandro Xavier; SILVA, Rogério Luiz Nery da (Org.). Dignidade humana e direitos sociais e não-positivismo. Florianópolis: Qualis 2015.
BAUMAN, Zigmunt. Amor líquido: sobre a fragilidade dos laços humanos. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.
BAUMAN, Zigmunt. Tempos líquidos. Tradução de Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.
BOBBIO, Norberto. A era dos direitos. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.
COMPARATO, Fábio Konder. Ética: direito, moral e religião no mundo moderno. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.
DIAS, Maria Berenice. Homoafetividade e os direitos LGBTI. 6. ed. reformulada. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2014.
DONNELLY, Jack. Universal human rights in theory and practice. Ithaca, NY: Cornell University Press, 1989.
FONSECA, C. Concepções de família e práticas de intervenção: uma contribuição antropológica. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 14, n. 2, p. 50-59, maio/ago. 2005. Disponível em: . Acesso em: 11 dez. 2010.
HÖFFE, Otfried. A democracia no mundo de hoje. Tradução de Tito Lívio Cruz Romão. São Paulo: Martins Fontes, 2005.
IBGE. Censo 2010. Disponível em: . Acesso em: 18 abr. 2016.
PADILHA, Elisângela. A constitucionalização do direito privado e a proteção dos direitos fundamentais nos novos arranjos familiares. Direitos Fundamentais & Justiça, v. 9, n. 33, p. 166-184, out./dez. 2015.
PEREIRA, Rodrigo da Cunha. Família, direitos humanos, psicanálise e inclusão social. Revista do Ministério Público do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, n. 58, p. 195-201, maio/ago. 2006.
PEREIRA, Rodrigo da Cunha. Princípios fundamentais e norteadores para a organização jurídica da família. Tese (Doutor em Direito) – Programa de Pós-Graduação, Faculdade de Direito, Universidade Federal do Paraná – UFPR, Curitiba, 2004. Disponível em: . Acesso em: 19 set. 2014.
PETRINI, J. C. Pós-modernidade e família: um itinerário de compreensão. Bauru: EDUSC, 2003.
PIOVESAN, Flávia. Direito constitucional – Módulo V. Caderno de Direito Constitucional, Porto Alegre, 2006. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2016.
PIOVESAN, Flávia. Direitos humanos e o direito constitucional internacional. 13. ed. São Paulo: Saraiva, 2012.
PISCATORI, James P. Human rights in Islamic political culture. In: THOMPSON, Kenneth W. (Org.). The moral imperativs of human rights: a world survey. Washington: University Press of America, 1980.
POLI, Luciana Costa. Famílias simultâneas: uma realidade invisível. Revista Direitos Fundamentais & Justiça, ano 9, n. 31, p. 56-79, abr./jun. 2015.
RIDOLA, Paolo. A dignidade da pessoa humana e o “princípio liberdade” na cultura constitucional europeia. Tradução de Carlos Luiz Strapazzon. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2014.
SÁNCHEZ RUBIO, David. Reflexiones e (im)precisiones en torno a la intervención humanitaria y los derechos humanos. In: SÁNCHEZ RUBIO, David; FLORES, Joaquín Herrera; CARVALHO, Salo de (Org.). Direitos humanos e globalização: fundamentos e possibilidades desde a teoria crítica. Anuário Ibero-Americano de Direitos Humanos (2003/2004). Porto Alegre: EDIPUCRS, 2010. Disponível em: .
Acesso em: 20 jul. 2017.
SANTIAGO, Marcelo; FEITOSA, Lourdes Conde. Família e gênero: um estudo antropológico. Mimesis, Bauru, v. 32, n. 1, p. 29-41, 2011.
SANTOS, Boaventura de Souza. Direitos humanos: os desafios da interculturalidade. Revista Direitos Humanos, v. 2, jun. 2009. Disponível em: . Acesso em: 21 abr. 2016.
SANTOS, Boaventura de Souza. Uma concepção multicultural de direitos humanos. Revista Lua Nova, São Paulo, v. 39, 1997.
SARLET, Ingo Wolfgang. As dimensões da dignidade da pessoa humana: construindo uma compreensão jurídico-constitucional necessária e possível. In: SARLET, Ingo Wolfgang (Org.). Dimensões da dignidade: ensaios de filosofia do direito e direito constitucional. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2005.
VILHENA, Oscar Vieira. Direitos fundamentais: uma leitura da jurisprudência do STF. São Paulo: Malheiros, 2006.
Publicado
30-12-2017
Como Citar
Padilha, E., & Bertoncini, C. (2017). Família, dignidade da pessoa humana e relativismo cultural. Revista Brasileira De Direitos Fundamentais & Justiça, 11(37), 105-123. https://doi.org/10.30899/dfj.v11i37.125